Monthly Archives

setembro 2016

Cultura, Moda

Qual seu número? Senta que lá vem textão!

untitled-1-copy

No último sábado, dia 10, foi ao ar na TV Verdes Mares (afiliada da Globo no Ceará), uma matéria falando sobre o workshop “Fotografia Básica para Comunicadores Digitais” ministrado pela Rafa Eleutério. Na ocasião, o primeiro encontro foi só para convidados e eu fui uma delas. No meio de pessoas onde a cota mínima de seguidores no Instagram é 10k e a média de visualizações no Snapchat é de 300 pessoas, eu sei que estava lá pela amizade. Afinal, com meus números provavelmente eu não seria convidada pra qualquer outro evento com essa limitação.

O Coisas Que Me Distraem foi o primeiro blog de moda de Fortaleza a ganhar umas certa repercussão nacional. Foi aparição em eventos, revistas, tretas (inventadas) com bloggers que hoje estão em níveis internacionais. Isso não aconteceu porque ele era o melhor blog da cidade e sim pelo timing que ele foi criado. O mesmo timing que eu não tive “sorte” de ter quando decidi voltar pra esse meio. Fui pro Rio de Janeiro pra trabalhar com produção de eventos. Eu não sabia disso ainda, mas sabia que ser blogueira não era a carreira que eu queria seguir. Depois de 3 anos eu e o Ian decidimos voltar pra Fortaleza com a cabeça mais aberta do que quando fomos embora e foi quando eu pensei: agora vai! Hahaha. Senta lá, Priscila. Não chegou nem perto.

14348987_695416503947620_933134257_n-copy

E por que eu estou falando disso aqui? É que quando saiu a chamada da matéria da TV Verdes Mares me colocando como influenciadora, minha primeira reação foi sentir vergonha. Afinal, que mico ser nomeada de influenciadora com meus míseros 3,5k (aumentou um pouquinho depois da matéria, thanks povo! J)! Mas o que é ser influenciadora? É influenciar. E influenciar é sinônimo de inspirar. Mas se de todas as atividades que eu faço, produtos que indico ou dicas que passo nas minhas redes sociais tenho pelo menos uma resposta de alguém dizendo que comprou porque eu postei, foi a tal lugar porque falei dele ou até mesmo fez uma make/hair porque eu ensinei, por que me sentir inferior por meros números? E por que a gente se importa tanto com eles? Até profissionalmente, consigo ver o quanto essa questão é desleal, afinal, do que adianta você ter 100 mil seguidores no Instagram e não gerar vendas? Ou fazer permuta do seu produto se a pessoa nem ao menos posta nas redes sociais dela? Até que ponto ter aquela pessoa é importante pra empresa?

Convivo com muita gente mais nova do que eu e vejo o quanto essa questão de números está inserida nas conversas de muitos deles. É a preocupação com o número de seguidores que fulana tem ou quantos likes a foto de sicrano teve. Quando me vi envolvida nesse tipo de pensamento, tive que me perguntar: – o que isso importa? Nada!

A grande verdade é que todo mundo influencia, todo mundo inspira. Todo tempo e o tempo todo. E números sempre serão apenas números.