Daily Archives

14 de janeiro de 2015

Música

Achados musicais: Tudo sobre o duo californiano Pomplamoose

Outro dia, durante uma conversa de família, entramos em um debate sobre bandas, músicas, letras e coisas do tipo. O objetivo era na verdade chegar a uma conclusão do que seria música “boa” e música “ruim”. E aí como vocês podem imaginar, foi um debate tenso que no fim das contas não deu em nada (rs), já que algo que pode ser bom para uns pode não fazer sentido algum pra outros. O bom disso tudo é que me fez pensar o quanto precisamos nos abrir a ouvir coisas novas, tanto nacionais quanto internacionais e ter a sensibilidade para sentir o que realmente uma música ou qualquer arte em geral tem a transmitir.

Existe um projeto californiano chamado Pomplamoose formado por Nataly Dawn e Jack Conte, um casal que grava versões de sucessos em casa de uma forma bem criativa e, até onde eu pude perceber, feito por eles mesmos. Nataly e Jack fazem qualquer tipo de música soar de uma forma mais alternativa, o que acabou me agradando pois acho bem complicado alguém pegar músicas “clássicas” em cada estilo e torná-la única e particular de uma forma que não tem nem como comparar com a original.

Já mostrei para algumas pessoas o som do Pomplamoose e as reações são bem diferentes: enquanto uns dizem que vão escutar para dormir todo dia porque achou relaxante outros dizem que é uma das coisas mais incríveis que já ouviu na vida. E a minha opinião é que além de ser ousado é criativo. Curti desde a primeira vez que ouvi e depois até tentei imaginar como seria a vida desse casal que não deve fazer mais nada além de respirar música pois algo assim é fora do comum, haha.

Não tem como não achar os vídeos do canal deles tão bons quanto as versões. Tudo parece ser feito sem grandes produções e acho que essa é a vibe deles. Simples, bem curioso e de um bom gosto bizarro. Além disso, é legal ver dos antigos até os mais novos e observar claramente como tudo era simples e foi ficando cada vez mais interessante.

CURIOSIDADE: Pomplamoose é apenas a forma americana de escrever algo próximo da pronúncia da palavra “Pamplemousse” que é de origem francesa e significa em inglês grapefruit, ou seja, um nome doidera que não significa nada, haha.

Por Robson Janser,
Guitarrista por profissão e apaixonado pela música por hobby.